11 de ago de 2008

Trautonium e os Ribbon Controllers

Por Silas Cordeiro Pascoal. Fevereiro de 2010. 
Ao citar, favor identificar o autor e linkar a fonte.
Link curto:  http://migre.me/3XNmp


SUMÁRIO (para o leitor se localizar neste longo artigo):
  • Introdução: WTF???
  • O que tem de especial?
  • Fabricação, restauração e vendas
  • Controladores a la trautonium
  • Instrumentos pós-trautonium com som próprio
  • Instrumentos radioeletrônicos trautonísticos
  • Figuras históricas: Oskar Sala e sua turma
  • Mais mídia trautonística: filmes, discos e sites [+bônus]



VERSOS PARA INSPIRAR:
O Theremin Vox da Rússia
O Trautonium da Alemanha
O Ondas Martenot da França
O Órgão Hammond dos Estados Unidos

As harpas de Deus no céu
E os instrumentos eletrônicos na Terra



INTRODUÇÃO: WTF???

O TRAUTONIUM é um instrumento eletrônico simples, monofônico (posteriormente conseguiu gerar 3 notas no máximo), inventado por Friedrich Trautwein e apresentado ao mundo em 1930 na Alemanha. É bem anterior ao sintetizador e não produz sons musicais que um sintetizador não faria. É primitivo, está junto dos demais "instrumentos radioeletrônicos", como theremin e ondas martenot. Produz o som por válvulas (posteriormente transistors), e controla timbres de diversas formas (depois teve inclusão de filtros, controle de envelope, wah-wah, etc. e inventou os osciladores subarmônicos).

http://pianoweb.free.fr/synthetiseurs/trautonium-2.jpg


O QUE TEM DE ESPECIAL?


O que torna o trautonium tão especial já que quase todo seu som pode ser sintetizado com facilidade? Ora bolas, é sua expressividade perfeccionista e a "tocabilidade", pra nenhum controlador de última geração botar defeito.

Ele é tocado por um "manual" que consiste em uma tira metálica com uma fita ou fio sobre si; ao pressionar o fio/fita com o dedo sobre a barra metálica você completa o circuito e obtém uma frequência/nota.

Quando mais forte pressiona, o manual afunda e aumenta o volume - o manual volta pra posição normal quando você solta (tem molas). Então tem dinâmica sutil e vibrato a gosto na ponta dos seus dedos. Além do mais, permite glissando/portamento pois é microtonal assim como guitarra fretless ou violino. Imagine o prazer mental de tocar um trautonium!

Com a adição de mais um manual, ficou possível ter duas notas (uma em cada manual), e posteriormente, com a adição de duas linhas sobre o segundo manual, o inferior, ficou possível fazer nele duas notas, uma em cada fio, com o mesmo volume, podendo servir por exemplo pra companhamento em terças, etc. Ou seja, no máximo, um trautonium faz três sons simultâneos.

Pra ficar mais fácil de achar as notas naquela tira metálica (o manual) colocavam linguetas de couro ou tirinhas de papel ou ainda pintavam com tinta preta, como se fossem trastes. Como na imagem a seguir (dois manuais):

http://www.trautonium.org/bilder/wolfgang2.jpg
(para entender a disposição das línguas de couro, clique aqui)

Um instrumento de antes da década de 30, com tantos recursos expressivos, uma técnica bizzara misturando violino e piano, e seus sons eletrônicos diversos não é nada pra alguém desprezar - mesmo que hoje com sintetizadores e controladores de última geração possamos fazer quase isso tudo que eles faziam desde antes de 1930, devemos reconhecer o valor histórico pelo menos. Vou demonstrar a relevância do trautonium ao longo do artigo.

Aliás, antes de Moog ser nascido Sala já fazia sons eletrônicos incríveis no trautonium, que vou mostrar ao longo da postagem. Cada instrumento ao longo da história é único, não tem isso de "melhor" ou "superior", quando falamos de características sonoras e diferentes expressividades. Tudo tem seu lugar, sua utilidade e seu momento. E a gente pode controlar isso tudo, afinal, somos artistas.

Seria muita ingenuidade, pra não dizer arrogância, pensar que os antigos instrumentos eletrônicos analógicos não tinham nada de especial que se perdeu no processo de "digitalização" do mundo. Devemos questionar as vantagens e desvantagens de todo o processo.


FABRICAÇÃO, RESTAURAÇÃO E VENDAS

O trautonium só foi produzido industrialmente pela Telefunken (Alemanha), por poucos meses entre 1933 e 1934, apenas umas 100 unidades, um único modelo chamado "Volkstrautonium" com 1 manual (monofônico), chamado vulgarmente de "clássico" por alguns.

Fora isso, muitos fabricam trautoniums artesanais sob encomenda até os dias de hoje. Olhem sempre o eBay, crianças! Os fabricantes cobram a partir de 900 dólares por uma jóia dessas. Fabricantes malucos estão soltos por aí - restauradores também. Mas é tudo muito raro, são oportunidades que passam voando. O máximo que podemos conseguir hoje é um trautonium monofônico semelhante ao da Telefunken, mais ou menos assim:



Reconstruir a partir dos originais históricos que estão em museus seria ótimo, mas não há tanto interesse nisso, infelizmente. Muitos poucos amam o trautonium pelo que ele é.

Para que eu possa demonstrar o real valor do trautonium, agora vamos passear pelos controladores derivados do trautonium (inclusive os que possuem som próprio), depois pelos instrumentos da época com tocabilidade ou funcionamento semelhante, para depois chegar no trautonium em si novamente.



CONTROLADORES A LA TRAUTONIUM

Que tal um "sistema de trautonium" com "controlador fretless"? Aqui temos um excelente projeto de emulação do trautonium:

http://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/d/d1/Ear_group_2_%40_AHBA2005.jpg
Informações: http://www.doepfer.de/traut/traut_e.htm

Ou mais simples:

http://www.doepfer.de/R2M_all.jpg
R2M, Doepfer Midi Ribbon Controller
+Doepfer Trautonium System
Encontramos demos pelos youtubes da vida.

Controladores inspirados pelo trautonium em um ou outro aspecto temos muitos por aí. Na maioria das vezes são o que chamamos de "Ribbon Controller". São totalmente personalizáveis, têm comunicação MIDI e recursos variados... Todavia os controladores de hoje não possuem a mesma expressividade do trautonium porque a "tocabilidade" é diferente, mecanicamente e esteticamente falando, e a geração de som também. Simples assim.

Pode parecer mas não é trautonium de verdade... Se é pra tratar de uma antiguidade, melhor replicar os originais em vez de recriar desinformadamente com tecnologia atual. Pra produzir ruídos e efeitos especiais raros, que são a característica distintiva do trautonium, não adianta ter um pseudo-trautonium que é na verdade um sintetizador tocado por um "ribbon controler" (controlador com aquela barrinha metálica, o manual do trautonium). Por exemplo o trautonium original possui uma variação sensual de timbre nos registros, do grave característico ao agudo; já as imitações são frias e desinteressantes nesse quesito.

Se é pra aglomerar recursos e tocar por um controlador fashion, sem pensar em imitar trautonium, melhor usar logo um Haken Continuum ligado ao computador, ora bolas! Eu particularmente considero o Haken Continuum o melhor controlador derivado do trautonium. Eis o site do produto: http://www.hakenaudio.com/Continuum/
E algumas fotos:

http://media.createdigitalmedia.net/cdmu/images//2007/06/continuum.jpg
http://img.youtube.com/vi/Mrmp2EaVChI/0.jpg
Você pode colocar sobre ele tirinhas pretas como se fossem teclas pretas e usar como um teclado normal. Parece que agora já tem até som próprio.

É claro, as imitações de trautonium hoje são muito mais confortáveis, versáteis e fáceis de tocar, seus controles digitais e sensores ópticos são muito precisos, mas nem de longe tem aquele som clássico e aquele desafio estético, ou aquela expressividade em alguns aspectos. Trocar um trautonium de verdade por emulações seria como trocar guitarras elétricas (com cordas) por guitarras eletrônicas (sem cordas), em termos de sonoridade e tocabilidade. Algo tipo: analógico versus digital (no theremin especialmente).

Não estou dando juízo de valores, declarando melhor ou pior, estou apenas destacando as diferenças e deixando claro que tudo tem o seu lugar, tudo é insubstituível e apenas parcialmente emulável. Os instrumentos influenciados pelos eletrônicos antigos devem ser usados para outros fins, não pra imitar trautonium ou outros instrumentos da época. Mesmo porque alguém poderá pensar que um controlador com portamento é um trautonium de verdade - como já vemos acontecer. Como se em 1930 existisse essa tecnologia.



INSTRUMENTOS PÓS-TRAUTONIUM COM SOM PRÓPRIO

Eu não poderia deixar de citar os teclados! Se você é tecladista, duvido que você nunca sofreu a influência direta do trautonium, ou seja, nunca viu um equipamento eletrônico fazer portamento através de uma "barrinha" sobre a qual se arrasta o dedo (o próprio mouse touchpad!). Aposto que você já ouviu algo tocado num controlador/sintetizador que contém uma barra sem trastes, incluindo Yamaha CS-80, Korg Prophecy, alguns Kurzweil, alguns Moog...

Aliás é com teclados/controladores assim que muita gente como a banda Pato Fu cria sons falsos de theremin, usando qualquer soft-synth, e até engana o povão que não entende de theremin. Eu mesmo, inicialmente, achava que era provavelmente um theremin que passou por muitos filtros e pitch-corrector (tudo é possível). Mas se eles não tem nem um thereminista como é que vão ter tantos recursos pra fazer um theremin ter aquele som senoidal limpinho? Instrumentos derivados da idéia da tocabilidade trautonística são usados muito frequentemente para imitar theremins, tanto como controladores quanto tendo som próprio, pois todos eles permitem glissando/portamento e vibrato, embora jamais atinjam a expressividade ou sonoridade específica do theremin. Falando nisso...

http://www.therevox.com/et-1/et-1-2.jpg
http://www.tompolk.com/Tannerin/450complete.jpg
O Tannerin ou electro-theremin (foto acima) foi desenhado explicitamente para imitar theremins porém com som senoidal e filtrado e um teclado desenhado "de enfeite", sobre o qual se arrasta uma barrinha glissando sempre. O tannerin ficou famoso por ser usado por The Beach Boys na música Good Vibrations. Eles foram um dos primeiros a usar um instrumento que imita o theremin, então tem muita gente que acha que o Tannerin é um theremin de verdade, já que na época não era moda fazer [tentativa de] imitação de theremin em outros instrumentos (note no vídeo a seguir que o glissando não é thereminístico e o timbre muito menos):


Também com som próprio (um sintetizador comum, analógico, com saída CV/MIDI, low pass filter, etc.), temos o Persephone. A Eowave fabricava até algum tempo atrás, custava mais de mil libras esterlinas e está agora fora de fabricação. Explicitamente ele imita os primitivos, diz o fabricante, especificamente o trautonium e o ondas martenot, como vou explicar a seguir.
http://img85.imageshack.us/img85/2073/eowave20persephone.jpg
O manual é muito semelhante ao braço do theremin cello, que vou descrever mais abaixo. Embora possa ser tocado como um teclado normal (sensitivo ao toque no manual, como o trautonium), pode ser usado no modo da foto acima também, em que a pressão no botão da esquerda dá o volume, semelhante ao Ondas Martenot, que também vou descrever abaixo. Ou seja, é uma boa emulação da tocabilidade (jamais do som) do Ondas Martenot, e pode emular também um trautonium e botar qualquer tannerin no bolso. Na prática, é apenas um tannerin super evoluído, nada mais que isso - claro, sem considerar que pode ser usado como controlador também. Se tiver interesse no Persephone, sugiro que siga os links pra página do produto 1, página do produto 2. Ambas contém samples e informação detalhada em inglês, se quiser ler, quem sabe encontre um usado ou um clone por aí.

Isso sem contar os brinquedinhos Otamatone, que são colcheias que cabem na palma da mão, e na haste se arrasta o dedo pra fazer notas, grave em cima agudo embaixo, e a cabeça da nota, quando pressionada, solta o som  (link - video). Tem também em tamanho família [link].

Os instrumentos radioeletrônicos, anteriores a 1940, influenciaram nossos instrumentos eletrônicos e controladores até hoje, universalmente. Ouvimos a influência dos velhinhos como trautonium todo dia sem saber - acabei de provar isso aqui agora. Mas vamos voltar à origem, história:



INSTRUMENTOS RADIOELETRÔNICOS TRAUTONÍSTICOS

Os instrumentos eletrônicos primitivos, os radioeletrônicos em especial, não eram controladores - tinham som próprio, específico, e as barrinhas/fitas não eram tão personalizáveis, e nem existia MIDI. Era simples assim: pressionando a barra completava o circuito.

http://upload.wikimedia.org/wikipedia/en/9/9f/Ondes-ruban.jpg

O Ondas Martenot (foto acima) parte do mesmo princípio porém substitui visualmente a "barra" por um teclado móvel (totalmente funcional, e ainda permite vibrato, arrastando-o delicadamente para os lados) e um anel preso a um fio, aí conforme você arrasta o anel preso ao fio sobre o teclado ou uma barra com marcações abaixo do teclado, ele vai glissando, sem precisar de fato pressionar barra nenhuma. Assim como existem imitações do trautonium, existem imitações do Ondas como o teclado French Connection. A foto a seguir é do thereminista Claude-Samuel Lévine tocando um Ondas Martenot sem teclado. Isso sim é garra.

http://1.bp.blogspot.com/_4aduPNm0tyk/TBWqmT9gbyI/AAAAAAAAA_w/aQOAcFEoyi8/s1600/2000timbres.jpg

Na verdade, os dois instrumentos eletrônicos originais que usaram esse sistema de fita ou barra que você pressiona com o dedo sem nenhum tipo de marcação foram o trautonium e o Theremin Cello. Bem, o inventor do theremin era violoncelista, era de se esperar que ele criasse uma versão eletrônica pro violoncelo - e ele fez sem cordas, um instrumento monofônico com uma barra que se toca no meio das pernas como um violoncelo, gerando um som mais ou menos senoidal e grave. A sensação visual é de uma guitarra sólida sem cordas, sendo que no lugar das mesmas tem uma fita igual um manual de trautonium, porém com som de theremin no registro mais grave:

http://www.thereminvox.com/ezimagecatalogue/catalogue/phpcpA7ZI.jpg
Não, não é uma guitarra elétrica sólida... O Dr Theremin foi o inventor desse design "futurista" muito antes de qualquer guitarrista de Rock nascer. Mais informações e detalhes sobre o theremincello aqui:
http://teremin.blogspot.com/2009/10/varese-e-theremin.html



Agora vamos voltar ao Trautonium em si.
(Fotinha do Trautonium 2000)
[small.jpg]


FIGURAS HISTÓRICAS: OSKAR SALA E SUA TURMA

Alguns compositores relevantes que podemos citar são os trautonistas Harald Genzmer e Paul Hindemith. Normalmente conhecemos o Hindemith por seu método de teoria musical, estudo de ritmos, etc. e também por suas composições bizarras pra instrumentos raros. O célebre Richard Strauss brincou muito com trautonium. Vamos ao co-inventor e principal nome na história do instrumento.

Oskar Sala estudou com o famoso Hindemith no Conservatório de Berlin e também trabalhou junto do inventor do trautonium, Friedrich Trautwein. Até sua morte em 2002, foi a maior referência viva na performance e aperfeiçoamento do instrumento, tendo ganhado e gravado concertos, trilhas sonoras, etc. Sem Sala o trautonium não evoluiria e não ganharia respeitabilidade artística. Sem contar que ele inventou os osciladores subarmônicos (Subharmonic Oscillator), ou seja, os harmônicos ao contrário (simetricamente pro grave em vez de pro agudo), um tipo novo de síntese. Ouça aqui a escala subarmônica, inventada dentro do trautonium:
http://jakobmjensen.dk/musikkurser/historie/generelt/keys/sub.wav

Segundo Peter Namlook (2002), que teve contato com Sala desde os 15 anos, ele não somente foi um dos gurus inovadores da música eletrônica, foi realmente um cara generoso, sempre disposto a ensinar e compartilhar com os mais jovens, embora ninguém tenha conseguido superá-lo. Não foi à toa que até depois dos 90 anos de idade ele continuava estudando e tocando seu trautonium - e caminhando longas jornadas diariamente. Uma vida de dedicação. Infelizmente Sala na velhice extrema não podia construir instrumentos nem ensinar - disse que se os jovens quisessem, que vissem seus instrumentos em museus e se virassem. Mas enquanto pôde, ensinou sim, o básico do trautonium, não os segredos de sua máquina suprema, o Mixtur-Trautonium. Não aproveitamos Sala em vida como deveríamos. Aliás, o trautonium aparentemente morreu com Sala no séc. XX, mas novos interessados estão surgindo e tentando reviver toda essa riqueza.

Vamos assistir o Oskar Sala ao vivo em Frankfurt em 1993 (reparem a precisão dos dedos dele nas barras metálicas do trautonium, com polifonia de três sons, dois deles no manual inferior):

Todos os efeitos especiais e trilha sonora nesse video (abertura/encerramento) são de trautonium.

Concertino pra Trautonium [monofônico] e Cordas, do Hindemith (1931), movimento 3:


Links para mais audio de trautoniums de verdade, sons que nenhuma emulação atual cria:

Composições de Oskar Sala, tocadas por ele mesmo:
Elektronische Impressionen Nr.1
http://www.youtube.com/watch?v=a5e1CBpDch0
Elektronische Impressionen Nr.2
http://www.youtube.com/watch?v=YJoRIlb6kTs
"Concertando rubato" da Elektronische Tanzsuite:
http://www.youtube.com/watch?v=yFzpcOf2OkU
Dá pra acreditar que o cara fez isso ao vivo com duas mãos? http://jakobmjensen.dk/musikkurser/historie/generelt/keys/trautoni.mp3
Tem outra: http://jakobmjensen.dk/musikkurser/historie/generelt/keys/salaelekimpr9.mp3



MAIS MÍDIA TRAUTONÍSTICA: FILMES, DISCOS E SITES

Ah, e é claro, os filmes antigos (até os anos 50) de ficção científica / terror com trilha eletrônica são sempre bons. Trautonium, theremin, novachord nos efeitos sonoros, e tudo preto e branco ou no máximo technicolor. Procure "The Birds", filme de Hitchcock, de 1963. Os efeitos sonoros são de trautonium, inclusive os passarinhos. Aqui tem um trecho do efeito sonoro de trautonium pro vôo dos passarinhos do capeta: http://jakobmjensen.dk/musikkurser/historie/generelt/keys/schlagwerk.wav

http://img62.imageshack.us/img62/1222/21bducevw21mk7e28kgrhqy.jpg

Eu só ouvi até hoje 2 albuns completos do Oskar Sala: o "Subharmonische Mixturen" (1997), que contém: Peça lenta pra orquestra e rondó pra Trautonium (Hindemith), composições do Oskar Sala entre 1992-95 (caprichos em rubato, cânone, tema e variação, trio, glissandi, etc) e um trecho da trilha de "Der Würger von Schloss Blackmoor" (1963); e o outro é o "Electronic Virtuosity: Resonazen" (1992), com peças pra diversos sons eletrônicos além do trautonium - especialmente sons percussivos. Rapidshare, se quiser: Selected Sound SS 9009 - Oskar Sala - Electronic Virtuousity - Resonanzen (1970). Tem tudo à venda no Amazon.com. Aqui tá a discografia do Sala: http://www.trautonium.de/work.htm

Documentário sobre o trautonium (em alemão):
http://www.youtube.com/watch?v=tFLCkbSzrq4
http://www.youtube.com/watch?v=rQaFEEoiH2k

Para encontrar trautoniums de verdade no youtube, o melhor caminho é esse (busca por tag, pode clicar): http://www.youtube.com/results?search_query=trautonium&search=tag

http://www.trautonium.org/bilder/wolfgang1.jpg
Wolfgang Müller, trautonista clássico, considerado sucessor de Oskar Sala: http://www.trautonium.org/

Samples e demonstrações (audio) de trautoniums históricos:
http://www.trautonium.de/downloads.htm
http://120years.net/machines/trautonium/index.html

Dois sites históricos confiáveis em inglês/alemão:
http://www.trautonium.com/
http://www.trautonium.info/

Myspaces informativos:
http://www.myspace.com/thetrautonium
http://www.myspace.com/oskarsala

Mais história:
http://www.oskar-sala.de/
http://jakobmjensen.dk/musikkurser/historie/generelt/elektro.htm


Programinha livre para Windows: Neumixturtrautonium VSTi
http://extra.schematron.com/Traut1-half.png
VST pra quem quer emular o trautonium de Sala incluindo osciladores subarmônicos e muito mais, informações e download: http://extra.schematron.com/Neumixturtrautonium.html




IMAGEM BÔNUS: Primeira página do Concerto para Trautonium e Orquestra de Harald Genzmer. Clique na partitura pra ampliar.
http://www.rieserler.de/downloads/Genzmer_KonzertTrautoniumOrch_k.gif

Nenhum comentário: