29 de dez de 2009

Método Rockmore para theremin com playback!

O "Método para Theremin", escrito pela sra Clara Rockmore, é mundialmente famoso por ter sido o primeiro (e ainda hoje é considerado o melhor) método para aprendizado, estudo e aperfeiçoamento no theremin, escrito pela primeira tereminista virtuosa que o mundo conheceu. Ela usa poucas palavras, vai direto ao assunto, e sugere exercícios bem genéricos para que outros pudessem atingir o alto nível de expressão artística que ela tinha dentro de um campo elétrico. O método é como um resumo das dicas e caminhos que ela indicava aos seus alunos, e, a pedido da própria virtuosa, o método deve ser distribuído gratuitamente.

http://www.electrotheremin.com/clara01.jpg
Para uso pessoal e não-comercial é liberado o download e a cópia do método, que, conforme conhecemos, foi revisado por David Miller e Jeffrey McFarland-Johnson. O livreto pode ser baixado em inglês (original) ou espanhol/italiano:

ORIGINAL EM INGLÊS (palavras da sra. Rockmore):
http://www.scribd.com/doc/24594176/Metodo-para-Theremin-Clara-Rockmore
http://spellbound.purplenote.com/RockmoreMethod.pdf

Espanhol por Oscar Alberto:
http://www.electrotheremin.com/metodoparatheremin.pdf

Italiano por Giorgio Necordi:
http://www.electrotheremin.com/metodo.pdf

...

O mundo do theremin é mesmo maravilhoso! O tereminista Roger Ballenger fez, voluntariamente, uns audios de acompanhamento para exercícios do método Rockmore, com introdução e finalização, bem musicais e agradáveis. Para obter os arquivos de audio dos exercícios, basta acessar:
http://www.ballengermusic.com/Ballengermusic/Rockmore_Method_for_Theremin.html

Obs: um som de cordas toca a parte do theremin no exercício. Se quiser sem o som de cordas, só a parte do piano, entre em contato: rballenger@socal.rr.com

---------------


No coração de todo tereminista clássico queima a chama que Clara acendeu, ao não medir esforços para tirar o theremin do campo da "curiosidade" (atração circense) e elevá-lo a nível de um instrumento de concerto, com total expressão artística.

Ela foi a primeira virtuosa - e até hoje considerada a maior por muitos - que criou o dedilhado aéreo, a base da técnica do theremin, lançando a proposta de estudar e considerar o theremin como um instrumento melódico para tocar nada menos do que Bach. Ela continua sendo, em memória, nossa inspiração e incentivo.

Sem Clara Rockmore eu e outros tereministas não estaríamos por aí, não teríamos a mesma auto-estima, não teríamos um século de história orgulhosa pra contar, não teríamos instrumentos decentes à disposição, não teríamos uma base técnica, não teríamos uma referência virtuosa, e o theremin seria menos divulgado (estaria ainda no campo dos efeitos especiais e curiosidades científicas) - praticamente alheio à musicalidade ou expressão melódica.

Gratidão eterna à Clara por transformar o theremin no instrumento que conhecemos hoje: não uma máquina bizarra de gerar sons fantasmagóricos, mas um instrumento respeitável com possibilidades musicais infinitas, sutis e precisas - desde a técnica de staccato que ela criou até suas frases melódicas vindas do coração com respiração humana.

***

SITES OFICIAIS (valem ouro):



***

BÔNUS - A PROVA DA EFICIÊNCIA DO MÉTODO

O thereminista clássico Thorwald Jørgensen, revelação do ano no theremin erudito, aprendeu a tocar sozinho em menos de 2 anos usando apenas o Método Rockmore, e já toca o concerto virtuoso que foi escrito para Clara Rockmore (ela mesma o descreve no final do método, como provavelmente a peça mais difícil pra qualquer thereminista tocar). Confira nos primeiros 30 segundos do seguinte vídeo:

Tá de parabéns pela ousadia e pela dedicação, afinal, toda essa técnica não caiu do céu.

Um ensaio com acompanhamento de piano do Concertino Pastoral de Fuleihan:

Obrigado, Thorwald, por compartilhar esse pedaço de história!

21 de dez de 2009

Xmas gift from Spellbound / Cygnus Radio



Estou escrevendo com lágrimas e tremor agora, duas da madruga. Acabei de ganhar um sorteio a nível mundial, no programa Spellbound dirigido pelo radialista David Vesel na Cygnus Radio. Ele disse... "Silas from Brazil". Nem acredito. Pela primeira vez na vida ganhei um presente de natal e não sou lá de dar crédito a sorteios, quando tentei um, ganhei.

O que tornou tudo mais emocionante foi o fato de o CD que eu ganhei não ter sido oferecido na lista de itens sorteados. Foi um presente pessoal do radialista mesmo. Depois que eu já tinha desistido porque os itens oferecidos em sorteio já tinham acabado, ganhei o album “A Gray Afternoon” (2007) de ElectroMungo (Arthur Pelzmann), que foi muito importante para a carreira do David Vesel.

http://www.whitelabel-music.co.uk/images/electromungo-E.gifhttp://www.whitelabel-music.co.uk/images/electromungo-A.gif

Informações sobre os outros presentes sorteados no especial de natal de 20/12/2009: http://spellbound.purplenote.com/gift.html

------------------------------------------------------------------------------------

O presente chegou dia 24/02/10 à tardinha. Abri, olha a foto:


Clique pra ampliar


ElectroMungo: A Gray Afternoon
Número da faixa - Título [duração]
1 - Robot Jam (Dance Version) [5:12]
2 - The Dark Night Listens [4:48]
3 - A Gray Afternoon ElectroMungo [2:29]
4 - Fugu [4:48]
5 - Julia [5:23]
6 - Bunker 58 [5:27]
7 - The Invisible Neighbour [7:27]
8 - Black Sea Beach [3:40]
9 - Robot Jam (Light Version) [4:59]

No encarte ele explica o processo composicional de cada peça individualmente. Só pelo fato de ter sido gravado com o excelente theremin Kees Enkelaar, ja é um ponto positivo. No geral é música fácil de ouvir, nada "erudito" ou para elites. Gostoso, leve, ao mesmo tempo reflexivo e dançante. Ambiente? Talvez. Ouvir com atenção e ler o projeto deixa tudo muito mágico e inteligente. Um presentão que eu jamais vou esquecer. Já devo ter ouvido sem exagero umas 50 vezes o CD inteiro nessa primeira semana.

------------------------------------------------------------------------------------

OUÇAM, não é propaganda enganosa não, é simplesmente a coisa mais maravilhosa de se ouvir, um programa de rádio todo produzido com qualidade, tocando apenas coisa rara muito bem selecionada do mundo do theremin ontem e hoje (quem sabe no próximo sorteio vc possa ganhar):

http://spellbound.purplenote.com/images/NewSpellboundBannerLogo.jpg
Spellbound, um breve programa musical de theremin. De domingo pra segunda a partir de 1 da madrugada até as 3h (Sudeste do Brasil - às vezes começa meia noite). Informações:
http://spellbound.purplenote.com

2 horas de música do éter, derredor do mundo e de toda a Internet. "Spellbound" (significa: encantado, fascinado em Inglês) é o único programa desse tipo no mundo, um programa de rádio feito de performances musicais no instrumento eletrônico mais antigo (e mais exótico) que temos: o theremin. David Vesel apresenta o programa que vai do clássico/erudito ao jazz, rock, folclore, enfim, todos os estilos, realmente eclético, equilibrado, atual e informativo. Pérolas musicais, o mundo do theremin resumido em duas horas pra você começar bem a semana.


http://spellbound.purplenote.com/images/Spellbound_new_banner.jpg

FELIZ TEREMINIZAÇÃO! Tereminizar-se não é apenas comprar um theremin e aprender a tocá-lo. É o encantamento ("spellbound") que temos quando vemos ou ouvimos sobre o theremin pela primeira vez. É ouvir música feita com o theremin... e ficar encantado. Spellbound!

PS: para baixar o programa no qual eu fui sorteado: [OBS:LINKS MORTOS]
Download the 2009 Holiday Special, part 1 and part 2
Playlist: http://spellbound.purplenote.com/playlists.html

20 de dez de 2009

Teremim não!

Pelamordedeus! O THEREMIN (nome patenteado em inglês) não deve ser escrito nem pronunciado "teremim" com M no final. Em espanhol e português, apenas tiramos o H, ficando TEREMIN. É livre a acentuação da pronúncia, como oxítona [tereMIN] ou proparoxítona todavia sem acento [TEremin] - som aberto ou fechado, tanto faz.

TERMINOLOGIA

Os que defendem o uso do M no final da palavra, desconsideram a realidade fonética do português (que jamais pronuncia a consoante bilabial nasal no final de palavras), desconsideram que o termo é um nome próprio, uma marca registrada e um termo estrangeiro, e se guiam cegamente por dicionários como Michaelis, Priberam e Aurélio, ou ainda pela Wikipedia.

Aliás, usar o cérebro é bom: se quem toca teremin é tereminista, tirando o -ista resta teremin (exemplo antigo aqui). Caso o correto fosse teremim, como rezam os dicionários, o tocador de teremin seria theremimista. PQP! Os dicionários erram, vão pelo caminho mais simples. Ou vc acha que foi um especialista em theremin que escreveu o verbete?

Hoje em dia todos têm acesso ao Google, o sabe-tudo universal, não custa nada verificar o nome do instrumento antes de publicar algo... A maioria nem sempre está com razão, mas o Google mostra que o termo teremin, como tem sido usado em espanhol há décadas, é mais apropriado e mais utilizado.

Logo, se não quisermos usar o termo theremin, que escrevamos teremin, que é consagrado pelo uso e pela literatura específica (assim como pela lógica, sem ferir o radical terminado em N).


E NA REDE?

Digitando "teremim", a forma errada de escrever, na internet, encontramos material brasileiro (hehe, de onde mais poderia ser?), vejamos:

Um teremin artesanal de campo de altura reverso (sim, é como se só tivesse a zona negativa), e com a antena de volume comum, não curva, sendo tocado sem altura definida improvisadamente:


Experiências midi (acredite se quiser). Passo a passo, educativo, sem truques^^

Só tenho duas observações: 1) theremin óptico ou luminoso não é theremin, pois não possui o campo eletrostático ao redor de duas antenas e não gera o som a partir do efeito heteródino; 2) theremin com saída MIDI deixa de ser um theremin e se transforma em um controlador gestual - um outro instrumento. Um controlador gestual, sim, pode ser óptico, como quiser, o importante é não confundir o controlador com o theremin original, eletromagnético, monofônico, heteródino, sem "truques" e sem grandes recursos de síntese (no máximo controle de harmônicos).

O theremin é patenteado desde 1928 tanto como um método de geração de som quanto como um aparato para o mesmo fim, portanto não é correto chamar de theremin outros métodos de geração de som e outros aparatos. Para ler ou baixar o texto original da patente (inglês), aí vai o link: http://spellbound.purplenote.com/ThereminPatent.pdf

O melhor pro final: um muito bem informado. Uma propaganda de moto da Yamaha com solo de sintetizador imitando theremin, como as trilhas sonoras dos filmes de ficção científica das décadas de 40 e 50. Feito pelo Felipe, da LOUD produções.


E viva ao teremin no Brasil! Só vamos corrigir a grafia e alguns conceitos, pessoal! :-)

E me ajudem a divulgar informações confiáveis e música real feita com o teremin! Vamos acabar com o mito de que isso é só um brinquedo ou efeito especial, e vamos exaltá-lo como um instrumento como outro qualquer, com 90 anos de tradição!

19 de dez de 2009

Coquetel theremin

Um pouco de cultura thereminística:

Drink "Theremin"

  • 3 dedinhos de água tônica
  • 2 dedinhos de vodka RUSSA, a melhor que puder
  • 1 colher de curaçao
  • 1 colher de falernun
  • Coloque uns 2 cubos de gelo num copo duplo
  • Junte tudo e mexa
  • Solte o som: uma boa gravação de theremin (é claro)
  • Pronto, pode beber
  • Não dirija
  • Após ingerir bebida alcoólica, não toque theremin.
  • Não insista, é impossível tocar theremin bêbado, pois vc não consegue ficar imóvel em pé nem solfejar afinado.
Fonte: http://maunaloalounge.blogspot.com/2009/04/show-85-sam-hoffman-and-theremin.html

http://img11.imageshack.us/img11/5052/kurstindrink.jpg
[encontrem 1 copo e 1 garrafa ocultos na imagem acima]

Não provei mas achei um que provou e disse que é como uma caipivodka/caipiroska requintada e complexa. Depende totalmente da qualidade dos ingredientes.

Afinal, o que o theremin tem de chique, tem de brega ^^

8 de nov de 2009

O Sexo dos Theremins

Como nascem / se reproduzem os theremins?
http://www.tfrenkel.com/picserv/theremins.jpg
Sexo grupal de theremins. Clique para ampliar.
Linda exposição de diversos theremins e suas antenas de volume e de frequência, uma dentro da outra. Foto e montagem do Thierry Frenkel, otimizador de theremins.

Não, a imagem acima não é baixaria nem "thereminfilia", embora, acredite, existem pessoas que realmente fazem sexo com theremins. Eu achava que era brincadeira, mas já não duvido mais de nada... Aliás, existe algum instrumento mais sensual que um theremin?

Na verdade, são os thereministas que são charmosos e atraentes por natureza - talvez pela magia de tocar um campo elétrico invisível e impalpável.

http://www.doritchrysler.com/images/photos/Photos07/Promonew/Red14.jpg
http://www.doritchrysler.com/images/photos/TinyThrills.jpg

Não é a toa que o theremin tem fama de ser instrumento de gente exibida: o theremin é um instrumento muito visual, aí a gente se vê obrigado a oferecer ótimas atrações visuais não-musicais - o próprio público não quer apenas ouvir boa música de theremin.

Aliás, muita gente gosta de tocar theremin [semi]nu, inclusive eu. Não é muito confortável ficar paralisado movendo dedinhos no ar - se balançar o corpo meio centímetro ferra toda a música, a gente quase não respira - repare quando puder ver algum thereminista tocando com pouca roupa, não dá pra perceber sua respiração.

http://4.bp.blogspot.com/_ZMdFwon2pfg/Rj0Pfyc1ADI/AAAAAAAABl0/PT7D9dA-tQU/s400/Angelo+playing+the+Theremin.jpg

A gente tem que ficar se entortando dentro de um campo elétrico, meio robô meio estátua-modelo. Agora eu sei que aquelas estátuas vivas que pedem moedas nas praças e semáforos são verdadeiros artistas! E também sei porque usam pouca roupa ou roupa leve. Assim como os modelos "manequins vivos" que ficam em vitrine.

http://2.bp.blogspot.com/_BwgMH4tR-TM/SogsWeMe5XI/AAAAAAAABIM/CiALIgpS3Dc/s400/est%C3%A1tua+viva.jpg

No mundo do theremin, sem preconceitos, os coloridos LGBT têm muito poder. Talvez o maior deles seja o famoso Armen Ra, declarado por várias revistas e jornais uma rainha do theremin, que também toca seminu (às vezes só com a parte de baixo, véus ou algo do tipo):






O mundo do theremin é dominado e dirigido pelas mulheres, que faturam muito mais que homens na área (independente da orientação sexual), vendendo mais CDs, dando mais concertos, cobrando muito mais caro pelas aulas e pelas performances, etc. - isso é estatística, eu não estou inventando nada. Na hora de citar as autoridades e referências no mundo do theremin a média é de 4 nomes femininos para 1 masculino.

Pra quem não sabe, o Leon Theremin sempre pregou que mulheres deviam ocupar cargos na ciência assim como homens, com os mesmos direitos e honras. Foi polêmico na sua época por ter, em pé de igualdade, sempre mulheres na sua equipe. Clara Rockmore foi e sempre será a deusa da história do instrumento em termos de performance, projetando-o com dignidade e virtuosismo, e promovendo avanços decisivos para quem toca theremin, hoje e sempre. Mecenas de maior peso histórico? Lucie Bigelow Rosen, que inclusive comissionou pra ela mesma uma das peças mais bonitas para música de câmara com theremin, a Fantasia de Martinu. A maior autoridade viva em theremin hoje? Lydia Kavina, sobrinha neta do inventor do instrumento, e quando algum dia ela se for provavelmente o mundo do theremin será dominado por outra mulher, como "mestra máxima" ou "lenda viva". É o destino. Lydia já disse numa entrevista que só conseguia pensar na Pamelia Kurstin como intérprete realmente profissional, além dela. Ficam também como candidatas ao reinado do theremin suas melhores alunas: Carolina Eyck e Barbara Buchholz. Os homens, cadê?

Aí acabam associando o theremin às lutas pelos direitos da mulher, igualdade de gênero [em termos de direitos], feminismo, etc. O theremin não tem nem 1 pingo de "feminismo" em si - que fica por conta do intérprete. Trata-se de uma associação mental que construímos ao longo dos anos. Talvez pelo fato de o instrumento ser semelhante à voz feminina, ou por permitir aos corpos femininos (menor densidade óssea e massa) mais possibilidades de afinação e expansão da sensibilidade da antena vertical. Dentre outros fatores.

Para os mais acadêmicos e a quem possa interessar, um livro que trata bem da relação entre theremin e feminismo é:

RODGERS, Tara. Pink Noises: Women on electronic music and sound. Durham, Carolina do Norte: Duke University, 2010.

Nesse link estão alguns trechos que eu upei, tudo em inglês:
http://pt.scribd.com/doc/51749733

Um leitor sugeriu que mulheres casadas, sendo sustentadas pelo marido, poderiam se aventurar mais no campo do theremin, que não dá retorno financeiro. Isso não procede. Não vou discutir detalhes, mas essa visão de uma mulher dependente usando o theremin como hobby que possivelmente deu certo não é compatível com a maioria das poderosas do mundo do theremin.



Mais recente que isso e menos enraizada historicamente é a relação entre o theremin e a população LGBT, especialmente os travestidos e andróginos, como exemplifiquei acima. Afinal, o theremin dá mais "visibilidade" a qualquer um. Eu poderia ficar horas exemplificando o que disse até então e fornecendo-lhes links e estatísticas, mas quem quiser se aventurar pelo mundo do theremin logo de cara vai se deparar com essas realidades. Mas, voltando ao sexo dos theremins:
http://4.bp.blogspot.com/_4aduPNm0tyk/S6kMtEkckoI/AAAAAAAAA-4/K3qxmJBCuRE/s1600/homotheremins.jpg
Brincadeiras à parte, a verdade é o contrário do que se imagina - as aparências enganam. Esteticamente falando, a antena vertical reta, embora pareça um símbolo fálico, é a antena feminina, onde se revelam os feitios de soprano como vibrato e glissandos com gestos delicados, enquanto a antena horizontal curva é a antena masculina, onde fazemos trêmolo, acentuações e articulações diversas, em sua enorme superfície (por isso é curvada), com gestos mais grosseiros.

Os bons e os podres do theremin, verdade nua e crua, sem mentiras e sem puxar sardinha pro lado de ninguém, você só vê aqui, no teremin.blogspot.com!

7 de nov de 2009

Recital em Anchieta/ES em dezembro 2009

CANCELADO

- ou melhor, adiado, ano que vem quem sabe

6 de nov de 2009

Recital de Theremin histórico na FAMES

O segundo recital do tereminista Silas Cordeiro (quem vos fala) se deu no dia 6 de novembro de 2009, às 19h, no salão de concerto Alceu Camargo, na Faculdade de Música do Espírito Santo. Foi basicamente uma reapresentação do programa do primeiro recital na UFES poucos dias antes, com alguns requintes adicionais.

http://img689.imageshack.us/img689/7342/cpiadeduo1002111.jpg



Seguem vídeos do recital na FAMES:


Humoresque de Dvorak: recebi o vídeo da faculdade, mas o YouTube está rejeitando, não consigo dar o upload. Vou tentar editar/converter pra ver se funciona. Uma gravação mais amadora e com um corte no começo está disponível aqui: http://www.youtube.com/watch?v=i4aNuyDMpAY

Meditação de Thais (Massenet):



A peça ESTUDO ELÉTRICO NO.1, composição coletiva, foi tocada também - e filmada - em sua segunda versão. Informações e vídeos aqui: http://teremin.blogspot.com/2009/11/estudo-eletrico-no1.html

Agora os comentários:

Começamos às 19h20 devido ao trânsito, e o evento durou uma hora e dez minutos. É claro, depois deixei o pessoal brincar no theremin ^^ Eu fui quem mais se divertiu, com meu próprio nervosismo igual um papagaio elétrico com aquela voz engasgada :)

O evento foi educativo, visando informação e formação de público para o instrumento. Pediram bis, eu dei então, além do programa, as peças I will always love you da Whitney Houston e Além do arco-íris [Over the rainbow].

Eu fiquei surpreso com o resultado: em exatamente 2 meses de prática já consegui ter alguma expressão musical razoável diante de um público que tem graduação em música, e com poucos ensaios consegui sintonizar com o pianista Herbert (não esqueçam que tem dois rr no nome dele!).


Fotos publicadas no site da FAMES:
Recital de Theremin, com Silas Cordeiro - Sala Alceu Camargo - 06/11/2009
Recital de Theremin, com Silas Cordeiro - Sala Alceu Camargo - 06/11/2009

Recital de Theremin, com Silas Cordeiro - Sala Alceu Camargo - 06/11/2009
Recital de Theremin, com Silas Cordeiro - Sala Alceu Camargo - 06/11/2009
A foto acima foi divulgada a partir do mês de fevereiro de 2010 num mural na entrada da FAMES, como retrospectiva, melhores momentos, propaganda, sei lá.


Album de fotos:
http://img97.imageshack.us/g/c1002121.jpg/


Links das fotos individuais:
http://img30.imageshack.us/img30/5139/duo1002114.jpg
http://img194.imageshack.us/img194/2628/duo1002111.jpg
http://img689.imageshack.us/img689/7342/cpiadeduo1002111.jpg
http://img156.imageshack.us/img156/1998/pitch1002113.jpg
http://img94.imageshack.us/img94/9641/cpiadepitch1002113.jpg
http://img97.imageshack.us/img97/1503/c1002121.jpg
http://img94.imageshack.us/img94/6181/c1002122.jpg
http://img52.imageshack.us/img52/7451/c1002123.jpg
http://img687.imageshack.us/img687/1471/soloredeyes1002112.jpg
http://img43.imageshack.us/img43/6586/clow1002124.jpg
http://img43.imageshack.us/img43/2306/low1002118.jpg
http://img196.imageshack.us/img196/3692/lowclosedeyes1002117.jpg


Se vc tiver mais fotos ou vídeos, por favor, deixe-me saber!

Links pra outras postagens relacionadas:
A divulgação prévia deste evento
O meu primeiro recital, alguns dias antes, na UFES

5 de nov de 2009

Divulgação - meu segundo recital

Recital de theremin

Local: auditório da FAMES
Dia 6/11, sexta feira, 19h

http://1.bp.blogspot.com/_4aduPNm0tyk/SvCQB37n2BI/AAAAAAAAA88/F1jSjXdKXpg/s1600/AgendaFAMES.JPG



==========================


Divulgação no jornal capixaba A Tribuna:
Link direto, formato PDF, pro site do jornal: http://pdf.redetribuna.com.br/06-11-2009/at06110906.pdf

Ou ainda, vc pode encontrar no site http://pdf.redetribuna.com.br/ escolhendo as seguintes opções: Ano 2009 Mês Novembro Dia 06 Caderno AT2 Página 6.

A mesma página em formato JPG porém em qualidade reduzida: http://img33.imageshack.us/img33/7560/at06110906.jpg

OBS: Eles entenderam mal, publicaram "em contato físico", talvez por não acreditarem existir um instrumento que se toca "SEM contato físico".


================================


Divulgação no site da faculdade:
http://admin.es.gov.br/scripts/adm007_1.asp?p=54320

http://www.fames.es.gov.br/images/theremin.jpg
cartaz num mural

"Alunos e professores da Faculdade de Música do Espírito Santo (Fames) apresentam nesta sexta-feira (06), às 19 horas, na Sala de Concerto Alceu Camargo, um recital de theremin, com entrada franca.

Quem ainda não conhece o theremin, terá uma oportunidade de conferir a apresentação dos alunos Silas Cordeiro, Herbert Baioco e do professor Marcus Vinicius, pois não existem muitos músicos nem instrumentos como esse no Estado.

O theremin é um instrumento chamativo e é tocado sem contato físico, através da manipulação de um campo elétrico ao redor de duas antenas: uma vertical para controlar a frequência (notas) e outra horizontal e curva, para o volume.

Tem sido usado como um instrumento de concerto, em trilhas sonoras, música incidental em geral e música popular, por artistas consagrados como Rita Lee e o grupo Pato Fu."

Informações à Imprensa:
Daniela Ramos/ Paula Norbim
Tels.:3132-1045/ 9849-1351
publicidade@fames.es.gov.br ou ass.imprensa@fames.es.gov.br


Clique nas imagens pra ampliar. Print screens da véspera do evento.

3 de nov de 2009

Homenagem póstuma - 3/112009

Dia 3 de novembro de 1993 morreu na Rússia o gênio conhecido no ocidente por Leon Theremin (Lev Termen). São, desde então, 16 anos desde que o homem que nos trouxe tantas oportunidades e alegrias se tornou imortal. Seu nome americanizado - Theremin - é também o nome do instrumento curioso, tocante e expressivo, que cativa milhares de músicos e apreciadores ao redor do mundo.



Resta em todos nós uma sensação de gratidão por ele ter dedicado sua vida a esse instrumento, dando-o de presente ao mundo sem medir esforços, em vez de simplesmente querer lucrar após patenteá-lo, ou transformá-lo em um segredo privado ou objeto exclusivista como ocorreu com a maioria dos instrumentos eletrônicos do início do século XX (que infelizmente só vamos conhecer nos livros de história da música, jamais pessoalmente).

"Theremin" não é apenas o nome de um inventor russo e de seu instrumento musical maluco - é um código que condensa um espírito de comunidade, generosidade e boa vontade, coisas que, parece que o inventor acoplou ao instrumento por todo o sempre, e transmitiu para as gerações futuras de thereministas - não somente os clássicos/eruditos. O theremin é uma construção social maravilhosa, tolerância à diversidade, desenvolvimento de sensibilidade musical, enfim, é muito mais do que uma caixinha com duas antenas fazendo sons fantasmagóricos. Devemos isso tudo ao Lev, ou melhor, ao Theremin com T maiúsculo.

Não foi a toa que no meu primeiro recital, a foto do cartaz não era minha, mas sim do Lev. Ele merece. A única coisa que nos pede é que não nos esqueçamos dele e de seu instrumento. Não esqueceremos, Lev!

Lev Termen será sempre lembrado, no nascimento e na morte, por tereministas de todo o mundo, não somente como um inventor ou um performer, mas como um grande espírito, grande alma, como quiserem - ou simplesmente como uma boa pessoa, pra soar menos religioso/mitológico.

Sempre que algum músico decide se tornar um tereminista, está homenageando a esse grande homem, ao levar avante seu nome num instrumento musical, tratando-o com respeito e dignidade como um instrumento de concerto, e não como um mero brinquedo ou uma geringonça pra aula de física.

Lev Termen, ou Leon Theremin, vive eternamente! Agora também no Brasil, no que depender de mim.

1 de nov de 2009

Estudo Elétrico no.1

Essa peça merece um post! A primeira audição mundial foi dia 27/10/2009 na UFES. Como constava no programa:

Estudo elétrico no. 1 (2009) *Estréia mundial
Marcus Neves, Herbert Baioco, Silas Cordeiro (composição coletiva)

Com:
  • Marcus Neves tocando live electronics, controlando 44 osciladores e um celular
  • Herbert Baioco usou um molho de chaves sobre o piano (ótima combinação de instrumentos de percussão!)
  • E eu usei sobre o oscilador do theremin a interferência de um celular, recebendo ligações do Marcus.
Mais explicações do mestre Marcus: esta é a "a gravação do último ensaio (que ficou interessante por sinal) da peça estreada dia 27 de outubro, no evento chamado Rec: it all, do curso de Licenciatura em Música da UFES. Chama-se Estudo elétrico no. 1, para piano, theremin e live eletronics. Aqui tocam Herbert Baioco (piano e chave), Silas Cordeiro (theremin) e Marcus Neves (live eletronics e celular). A proxima apresentação será na próxima sexta, às 19 horas, no auditório da Faculdade de Música do Espírito Santo (FAMES). Essa é a primeira produção de um projeto que está se iniciando com o intuito de estudar a composição a partir da heurística musical, forma que conheci através da oficina do Prof. Dr. Ricardo Mandolini (Universidade Lille III - França) no Festival de Música de Londrina de 2009."

O referido último ensaio antes da estréia, quando gravamos a primeira versão, Marcus Neves no computador, Herbert Baioco ao piano, e eu tirando foto:
http://img141.imageshack.us/img141/2827/dsc00413ultimoensaios.jpg
Outra foto aqui
Mais informações sobre a estréia mundial.

Vídeo da estréia (apenas o começo):



Para ouvir em alta qualidade a peça COMPLETA, primeira versão, é só dar o play:

Estudos eletrico 1_241009[1].mp3 (opção de download, pra quem quiser)
Ou em formato WAV: Estudos eletrico 1_241009.WAV
Se não quiser baixar, é só dar o play ao lado de "type of file". Esses dois audios, mp3 e wav, hospedados no 4shared, são embedáveis, basta procurar nos links os códigos para divulgar em seu site ou blog ou orkut, o que for.

Essa mesma primeira versão da peça foi divulgada no RadioForum (em breve será substituída pela segunda versão), assim (é só dar o play [link direto]):



http://radioforumbr.wordpress.com/2009/11/10/marcus-vinicius-marvila-das-neves-estudo-eletrico-no-1/
Aproveitem e procurem ouvir as outras peças do Marcus Neves no site, vale a pena!


VÍDEO COMPLETO, audio bom, da SEGUNDA VERSÃO (FAMES, 06/11/2009):

O que tem de diferente? Só vendo mesmo: o vídeo explica.

Veja também:
Estréia em rádio virtual

30 de out de 2009

Reconhecimento pelo theremin.com.br

A partir de outubro de 2009, esteve disponível em
http://www.theremin.com.br/fotos.htm
o seguinte:

-----------------------------------------------------------

Veja nos links abaixo excelentes videos no Youtube ,executados com um RDS Theremin, do Thereminista Capixaba Silas Cordeiro, grande promessa do Theremin no Brasil.

1- Hino Nacional Brasileiro, sem acompanhamento.
http://www.youtube.com/watch?v=4760FA1RcQ8

2- Concerto Spellbound (1945), pra theremin, piano e orquestra.
http://www.youtube.com/watch?v=lLBNL26fHcg

3- I will always love you, da Whitney Houston, sobre karaoke.
http://www.youtube.com/watch?v=-VjRRMhoGeA

-----------------------------------------------------------
Printscreen: http://img214.imageshack.us/img214/8380/rdsprimeiradivulgacao.jpg



Obrigado, Reinaldo. Saiba que o apreço é mútuo.
Haha, engraçado, agora eu me chamo Grande Promessa :-)

A partir de 24/02/2010, foi atualizado:
----------------------------------------------------------

Videos do RDS Theremin no youtube:

http://www.youtube.com/watch?v=eQBMUF8g9VM


Acompanhe e veja vários videos , fotos e informações sobre o RDS Theremin e também sobre assuntos relacionados ao instrumento no blog do Thereminista Silas Cordeiro:

http://teremin.blogspot.com/

----------------------------------------------------------
Printscreen: http://img40.imageshack.us/img40/5207/rdssegundadivulgacao.jpg

Novamente, obrigado Reinaldo, e desculpe encher tanto seu saco^^

Publicamente, autorizo o Reinaldo a usar QUALQUER foto minha que eu postar nesse blog com o RDS Theremin como propaganda do seu produto, que não deixa nada a desejar - o RDS Theremin é um instrumento legítimo. Quem sabe algum dia eu tenha a honra de ir fazer a demonstração pro povão pessoalmente em BH.

27 de out de 2009

Espírito Santo ganha um thereminista

Minha estréia mundial como thereminista clássico, meu primeiro recital, conforme informa o cartaz abaixo, foi no dia 27 de outubro de 2009, na sala 12 do CEMUNI 5, na Universidade Federal do Espírito Santo (UFES), ao meio dia e meia. No cartaz constava uma foto de Leon Theremin tocando sua invenção.



Começamos com uns 10 min de atraso, lá pras 12h40. Terminamos exatamente uma hora depois. O horário é ruim para quem quer assistir mesmo, então muitos ficaram só no começo e outros chegaram da metade pro final. No total, devem ter circulado umas cem pessoas pela sala, que tinha capacidade pra 50 sentados.

O clima foi muito leve, jovial e descontraído. Embora o repertório tenha sido essencialmente Romântico, séc. XIX, erudito, o evento não foi tão formal ou sério - parecia uma aula especial, ou um recital didático. Todavia, o aproveitamento foi máximo: pela primeira vez no estado do Espírito Santo ocorreu uma apresentação de theremin clássico, acompanhado pelo piano, como tradicionalmente planejou Leon Theremin, como fez Clara Rockmore, como fazem hoje grandes nomes como Lydia Kavina.

Os temas abordados foram vários. Resumi a história do instrumento e seu uso. Dei-lhes uma noção do funcionamento e da forma de tocar. As dúvidas surgiram, e eles questionaram, especialmente sobre a tocabilidade do instrumento.

http://img687.imageshack.us/img687/2241/1002099chopinfinal.jpg

PROGRAMA:

1
Prelúdio "Pressentimento de morte" (1838)
F. Chopin, Op. 28 no. 2

2
Meditação sobre um Prelúdio de Bach (Ave Maria)
Charles Gounod / J. S. Bach, BWV 846

3
Humoresque (1894)
Antonin Dvorák, B. 187, Op. 101 no. 7

4
Meditação, da ópera Thaïs (1894)
Jules Massenet

5
O Cisne (O Carnaval dos Animais, mov. 13, 1886)
Camille Saint-Saëns

6
Vocalise (1912)
Sergei Rachmaninoff

7
Spellbound Concerto (1945)
Miklós Rózsa

8
Estudo elétrico no. 1 (2009) *Estréia mundial
Marcus Neves, Herbert Baioco, Silas Cordeiro (composição coletiva)
**Participação de Marcus Neves realizando live eletronics.
Informações e vídeo/audio da peça aqui

http://img27.imageshack.us/img27/7571/1002105humoresque.jpg

Depois da apresentação, fiquei dopado de endorfina. Fiquei satisfeito por ter dado o primeiro passo, pioneiro, do theremin clássico no país. Com menos de dois meses com o instrumento, dei o primeiro recital na UFES, e estou pra dar outro agora na FAMES - aguardem. Sim, é isso mesmo que você pensou, eu vi um theremin pessoalmente pela primeira vez em setembro de 2009, e no mês seguinte já estava dando recitais. Dom? Não, não. Dedicação e esforço. Força de vontade.


Mais fotos:
Os instrumentos esperando a gente entrar pra começar o evento
A primeira peça
O tereminista tocando Thais
Um album: http://img230.imageshack.us/g/1002103vamos.jpg/
Links diretos individuais do album acima:
http://img10.imageshack.us/img10/4506/1002103vamos.jpg
http://img5.imageshack.us/img5/7735/1002101clubsocial.jpg
http://img230.imageshack.us/img230/7224/1002108trinado.jpg
http://img94.imageshack.us/img94/8356/1002106gracias.jpg
http://img44.imageshack.us/img44/9994/1002109gracias.jpg
http://img686.imageshack.us/img686/1332/1002110thanx.jpg

Se você possui fotos, videos ou gravações minhas, por favor, envie!

14 de out de 2009

Varèse e Theremin: o ThereminCello

Leo Theremin tinha bons amigos... Quer saber mais da relação dos dois?

[Varese-Vila-Lobos-1927.jpg]
(Edgard Varèse e Villa-Lobos. Eu sei, o último não tem nada a ver com theremins, mas é que não resisti...)

O seguinte excerto esteve (talvez ainda esteja) na wikipedia (em vermelho informações erradas que eu corrijo a seguir):


"(...)Sua [do Varèse] composição seguinte, Ecuatorial, terminada em 1934, continha partes para teremins, e Varèse, antecipando uma resposta favorável ao seu pedido de fundos, retorna aos Estados Unidos para lá criar sua música eletrônica. Varèse escreveu Ecuatorial para dois teremins, registro (voz) de baixo, instrumentos de sopro e de percussão, no início dos anos 1930. A obra foi executado no dia 15 de abril de 1934, sob a direção de Nicolas Slonimsky. Em seguida, Varèse deixa Nova Iorque, onde vivia desde 1915, e vive em Santa Fe, São Francisco e Los Angeles. Quando Varèse retorna à França, em 1938, Léon Theremin havia regressado à Rússia. Esse fato desesperou Varèse, que havia esperado trabalhar com Theremin em um aperfeiçoamento do instrumento. Varèse havia também apresentado o teremin por ocasião de suas viagens ao Leste estadunidense, e havia feito uma demonstraçãodo do instrumento em 12 de novembro de 1936, em uma conferência na Universidade do Novo México, em Albuquerque. Quando, perto do fim da década de 1950, Varèse foi contactado por um editor para publicar Ecuatorial, restavam apenas uns poucos teremins, e ele decidiu então reescrever essa peça para ondas Martenot. A nova versão foi criada em 1961."

Fonte: http://lagrimapsicodelica.blogspot.com/2007/07/edgar-varse.html


O trecho acima (com destaques em vermelho) confunde dois instrumentos inventados pelo Dr Theremin, o theremin cello (instrumento com braço, como um violoncelo eletrônico) e o thereminvox (com duas antenas). Restavam poucos theremin cellos, mas havia muitos thereminvoxes (que hoje são conhecidos simplesmente como "theremins").

Varèse e Theremin (o inventor, com T maiúsculo) trabalharam juntos inventando novos instrumentos eletrônicos. Um desses instrumentos, o "theremin cello", ganhou uma composição de Varése que é descrita acima, Ecuatorial, que não foi escrita para thereminvox (duas antenas) e sim para "theremin cello" (com braço). Aliás, a peça pedia DOIS teremincelos. Posteriormente escreverei mais sobre o theremin cello, e já fiz um post que aborda sua tocabilidade e seu funcionamento básico, aqui: http://teremin.blogspot.com/2008/08/trautonium-e-os-ribbon-controllers.html

http://www.peterpringle.com/cello/lev.jpg
Lev Termen (Leon Theremin) tocando seu instrumento, o theremin cello. Seria simplesmente um thereminvox dentro de uma guitarra maciça? Talvez, mas muito melhor que o enunciado pode parecer.

Como Leon Theremin sumiu pra Rússia, Varèse acabou mudando de rumo, e até mudou a instrumentação da Ecuatorial, adaptando para Ondas Martenot, que é um instrumento de teclas com som mais filtrado e processado que o thereminvox e que o theremin cello. De fato, a peça devia ser reescrita para thereminvoxes, que são da mesma família do theremin cello, e não para Ondas Martenot, que tem um som muito diferente (perdendo qualidade sonora e um pedaço da história da música).

Como não consegui uma gravação do original (1932–1934), tocado com dois teremincelos, órgão, metais, percussão e vozes graves, vai aí uma gravação com dois ondas martenot substituindo-os. O texto em espanhol, de Francisco Ximénez, fala de paz e perfeição:


Varèse é o único compositor famoso que escreveu para theremin cello. Sobre o Varèse: aqui vc pode ler, em inglês, uma carta que ele enviou ao professor Theremin:
http://www.thereminvox.com/article/articleview/7/1/1/
E aqui um artigo sobre ele:
http://www.thereminvox.com/article/articleview/49/1/8/

Como se já não bastasse serem poucos os que tocam thereminvox como eu, se dissermos que "é difícil demais tocar no theremin", perderemos muito repertório original para theremin, "repassando" (adaptando) pra outros instrumentos mais fáceis de tocar, como Ondas Martenot, Tannerin, etc. Aí as peças ficam até conhecidas com os outros instrumentos, mas o thereminvox continua sendo considerado um instrumento bizarro, um brinquedo, etc., como se fosse de outro mundo ou como se não pudesse ser estudado seriamente para uma performance musical erudita.

Aí os poucos tereministas clássicos, como eu, precisam tocar músicas escritas pra violino, violoncelo, soprano, etc., enquanto os compositores ficam desestimulados a escrever pra thereminvox devido ao mito em torno do instrumento (talvez por ser invisível e intangível, o campo elétrico). Vamos deixar de preguiça e lutar por performances decentes e virtuosas no thereminvox, pessoal! Como eu disse, ironicamente, em meu outro blog:
http://motivacaomusical.files.wordpress.com/2009/01/ondas-theremin.jpg
FONTE: http://motivacaomusical.blogspot.com/


***

UPDATE [carnaval, 2011]
http://teremin.blogspot.com/2010/01/emancipacao-do-som-mais-varese.html
Postei no link acima umas citações de 2 livros que falam sobre a relação entre Varèse e Theremin, com as devidas referências.


***
O RENASCIMENTO DO THEREMINCELLO

http://www.thereminvox.com/ezimagecatalogue/catalogue/phpqlZ29B.jpg

Graças aos esforços da musicóloga Olivia Mattis (para entrevista, clique na imagem acima), o theremincello, que não era ouvido há décadas, renasceu no palco em 2002, no SLEE CONCERT HALL no campus Amherst da University of Buffalo. Aqui algumas fotos: http://www.peterpringle.com/cello.html

http://www.peterpringle.com/cello/5.jpg

Floyd Engels recriou o theremin cello baseado nos poucos modelos históricos que restaram. Cada réplica levou pelo menos 350 horas pra ser feita, e o pesquisador não pretende fazer mais. A fita onde se coloca o dedo é de vinil. O instrumento tem uma malha de cobre. Floyd Engels é famoso na comunidade de thereministas por recriar itens históricos como amplificador em forma de diamante e antenas RCA. (Fonte: Fórum ThereminWorld). Aqui tem fotos de Engels com o instrumento:
http://www.peterpringle.com/stringlesscello.html

Na Ethermusic 2005, foram exibidas 10 réplicas históricas. Abaixo uma demonstração da última réplica construída de um theremincello:

O mesmo cara do vídeo acima, "Bryan (Sidecars)", mostra ou usa o teremincelo em outros vídeos no YouTube dele. A réplica de Floyd Engels lhe custou $5,500 dólares. Infelizmente, não está mais a venda. Clique aqui para ver seu estúdio doméstico, com um teremincelo ao chão. Assistam o seguinte: uma base indiana com improviso de teremincelo ao fundo, imagens históricas, ontem e hoje, nascimento e renascimento do teremincelo. Emocione-se:


Ele prometeu que, se gravasse algo mais sério com o theremincello, publicaria no seguinte endereço: audiostreet.net/sidecars. E as poucas réplicas de Engels estão sendo bem usadas. Por exemplo, no "Hands Off 2010", um festival de theremin iniciado em 17 de abril de 2010 em Londres, rolou um dueto de theremin cellos, os mesmos dois teremincelistas que tocaram no Southbank Centre um tempo atrás, conforme foi anunciado aqui. A idéia era fazer um quinteto com 2 thereminvoxs, 2 theremincellos e um teclado theremin. Dentre os performers, ninguém menos que a própria Lydia Kavina e Thorwald Jørgensen.

Pamelia Kurstin and the theremin cello
Infelizmente o Veoh desistiu do Brasil e de qualquer forma o vídeo (imagem acima) foi deletado, mas vejam o que perdemos. Ela tinha menos de 1 dia com o instrumento, e já conseguiu tirar som num festival de theremin. Link: Pamelia Kurstin toca o teremincelo no Ethermusic 2005 (6.7 MB, .WMV - Submitted by Jason, 12/7/2005). Fonte: TW.

Mais info: http://www.etheremin.com/theremin.html

CONFIRA: Artigo na revista Modern Mechanics: Tones of New Stringless Cello Generated by Electricity (May, 1932) 

A MELHOR PERFORMANCE DE THEREMINCELLO que você pode assistir atualmente é Jonathan Golove:


Um outro até tentou entrar pra Sinfônica do YT, com som ultra molhado:


Um jovem inventor chamado David Levi está tentando evoluir o theremin cello, chamando sua invenção de "magnetic cello", com as vantagens de ter quatro cordas/ribbons ao invés de apenas um, e ter um arco solto, no meio do ar :


UPDATE: agora o Magnetic Cello (acima) está finalmente à venda ( site: http://magnetovore.com/ )! Demo abaixo:



E uma italiana mandando bem também:

Vamos voltar ao passado, pra fechar essa postagem com antenas de ouro (literalmente):
http://jakobmjensen.dk/musikkurser/historie/generelt/keys/electrio.jpg
ELECTRIO (1932), ou trio eletrônico de instrumentos theremin. Contém, da esquerda pra direita: um thereminvox (com antena de raio de George/Julius Goldberg), um theremincello e um teclado theremin. Esse último eu duvido que você sabia que existia. A vantagem de tocar o theremin cello ou o teclado theremin é que eles, por serem instrumentos COM contato físico, permitem velocidades extraordinárias que o thereminvox (com antenas e SEM contato físico) não permite. Então é fácil entender por que surgiram tantos interessados em se tornar theremin-cellistas e theremin-tecladistas. O thereminvox (SEM contato físico) parece abstrato demais pra quem está acostumado a ver e encostar em algum instrumento pra extrair som dele. Repare na foto acima o charme dos amplificadores "diamante", uma modinha dentre thereministas.

10 de out de 2009

Trilha de "O Dia em que a Terra Parou"

Um dos primeiros filmes a usar theremins na trilha sonora foi The Day the Earth Stood Still (1951). Na verdade, foi o primeiro filme relevante a usar theremin. Além do mais, foi ele que lançou o clichê de trilha sonora de theremin em terror / ficção científica / suspense, etc.

Esse filme continua excelente e atualíssimo, mesmo hoje uns 60 anos depois. Prova disso é o "remake" (recriação) dele que saiu em 2008, com a seguinte capa:


http://movieopinion.files.wordpress.com/2009/03/the-day-the-earth-stood-still-poster-1.jpg

Essa recriação do sec. XXI é desprezível... Vários sites, jornais e programas televisivos dizem que foi um dos piores filmes de 2009. Link. Mas o que nos interessa, em termos de qualidade e também por possuir trilha sonora tereminística, é o original de 1951:

http://anotherkindofclay.files.wordpress.com/2008/12/the_day_the_earth_stood_still.jpg



Na suíte que Bernard Herrmann (1911-75) compôs para o filme citado, incluiu um violino elétrico, baixo elétrico, 2 theremins (um focado no agudo e outro no grave), dois osciladores de teste (test oscillators?), vibrafone, 4 pianos, 4 harpas e cerca de 30 instrumentos da família dos metais. Ele usou, na trilha do filme, técnicas e efeitos excêntricos como tocar fita reversa, ao contrário. Por causa dessa trilha, os theremins foram eternamente associados a alienígenas, ficção científica etc.

Além da orquestração esquisita, que é uma característica de Herrmann, podemos citar sua atenção para minimalismos, ostinatos, descritivismo. Ficou talvez mais famoso por fazer música para os filmes de Alfred Hitchcock (como Psycho). O compositor desejou ardentemente, no fim de sua vida, que sua música para filmes fosse considerada repertório "de concerto", digno de apreciação e performance. Talvez não tenha visto isso em vida tanto quanto merecesse.

Seguem links de uma gravação raríssima. O concerto foi conduzido pelo próprio compositor. Gravação da década de 70. Ouça (é só dar o play abaixo) e se quiser faça download a partir do 4shared, porque vou fornecer ambas as fontes, em duas partes:


Faixas: Outer Space / Radar and Gort.
http://www.4shared.com/file/139964653/1f571c11/The_Day_the_Earth_Stood_Still__1951__Suite_1_of_2_-_Music_Composed_and_Conducted_by_Bernard_Herrmann.html




Faixas: The Robot / Space Control / Terror / Farewell and Finale.
http://www.4shared.com/file/139963400/657a5539/The_Day_the_Earth_Stood_Still__1951__Suite_2_of_2_-_Music_Composed_and_Conducted_by_Bernard_Herrmann.html


***

PARTITURAS


Adaptação de três faixas da trilha sonora, para violão clássico e theremin:

http://web.mac.com/estudioserin/theremines/Partituras.html

Gracias al Víctor Estrada



***

BÔNUS

Sugestão: Assistam aos documentário "Theremin: an Electronic Odyssey". Um performer de theremin (Paul Shure, o mesmo que gravou trilha sonora de Batman Forever), já idoso, comenta como foi a experiência na trilha original do filme, ressaltando que naquela época não se achava quem tocasse theremin lendo partituras e talz (hoje em dia não é muito diferente...).

Outros links:
http://www.thereminvox.com/article/articleview/90/1/17/
http://io9.com/5037895/the-day-the-earth-stood-still-remake-is-pure-sucky-evil
http://io9.com/5100543/exclusive-clip-shows-why-keanu-cant-fill-original-klaatus-boots


Influência do compositor moderno francês Olivier Messiaen? Dê sua opinião:

30 de set de 2009

Recital em casa, comemorando 1 mês de theremin

Para comemorar meu primeiro mês com o theremin, vesti uma beca e gravei três peças.

POSTAGEM DIA 13/10/2009

AVISO: OS VÍDEOS ESTÃO FORA DO AR, DEVIDO À BAIXA QUALIDADE. PROMETO REPOSTÁ-LOS ALGUM DIA.

Hino Nacional Brasileiro


I Will Always Love You, da Whitney Houston


Concerto Spellbound, Miklos Rozsa



Isso foi só o primeiro mês. Muitos meses e anos virão e eu vou continuar estudando theremin, me aperfeiçoando.

Seguem as fotos do dia:




Outra, do theremin desligado em casa:
http://img175.imageshack.us/img175/1765/1002078fundo.jpg
Outra minha:
http://4.bp.blogspot.com/_4aduPNm0tyk/StTzFtdjCvI/AAAAAAAAA8c/3J8xStyey-I/s1600/100_2096c.jpg

Mais três vídeos seminu antes de 1 mês

Calma, eu explico! São vídeos caseiros, bem à vontade, que eu fiz sozinho para registrar momentos de descontração com o theremin em minha casa, antes de completar 1 mês com o instrumento. Aliás, completei 1 mês por ocasião desta postagem, lá pra 10/10/09!

Tentativa de imitar, de ouvido, o solo de sintetizador da banda Pato Fu, na música "Eu":




AVISO: OS VÍDEOS A SEGUIR ESTÃO FORA DO AR, DEVIDO À BAIXA QUALIDADE. PROMETO REPOSTÁ-LOS ALGUM DIA.

Parabéns para mim, agora com teremin: comemorando meus 19 anos, dia 28 de setembro de 2009.



Outra tentativa falha, de tocar de ouvido... Não tem jeito, tem que estudar!


Por enquanto é só. A partir de agora pretendo postar vídeos mais sérios, já que tenho, a partir de hoje, mais de um mês de estudo.

Aceito sugestões.

21 de set de 2009

Blog brasileiro divulga Lydia Kavina

PrussianRadio.blogspot.com divulga o album "Music From The Ether", da Lydia Kavina:

[51bwmo5qk0lsl600.jpg]

Lydia Kavina ( nascida em 8 de setembro de 1967 ) é uma virtuosa russa da arte do theremin.

1 Joseph Schillinger - Melody (1:43)
2 Joseph Schillinger - Mouvement Electrique Et Pathétique (1:42)
3 Friedrich Wilckens - Dance In The Moon (2:43)
4 Percy Grainger - Free Music #1 (1:22)
5 Bohuslav Martinu - Fantasia (14:17)
6 Isidor Achron - Improvisation (3:48)
7 Lydia Kavina - Suite 1 Andante (3:40)
8 Lydia Kavina - Suite 2 Moderato (2:10)
9 Lydia Kavina - Suite 3 Lento (2:56)*
10 Lydia Kavina - In Whims Of The Wind (11:27)
11 Jorge Antunes - Mixolydia (11:24)
12 Vladimir Komarov - Voice Of Theremin (8:12)

*Faixa ausente: substituída pelo Clarão da Lua de Debussy

Link[capas,etc].

FONTE: http://prussianradio.blogspot.com/2009/04/lydia-kavina-music-from-ether-original.html

[UPDATE 2011: o blog acima foi deletado por pirataria. Eu o citei pelo fato de ser brasileiro e divulgar o theremin; embora sua distribuição ilegal já estivesse bloqueada há muito tempo, o blog em si estava no ar.]

12 de set de 2009

Meu sexto dia de prática no instrumento

Imagine, do Lennon, no sexto dia após recebimento do instrumento.



A gente só percebe como toca mal quando se assiste ou se ouve através de uma gravação. Nesse dia tentei tocar também Tears in Heaven do Eric Clapton, etc.

8 de set de 2009

Meu primeiro dia com um theremin

Em setembro de 2008, vi por aí na net o vídeo do Randy George tocando musiquinha do Mário no seu Moog Etherwave PRO Theremin (vídeo que hoje é privado, mas você pode ver uma cópia aqui). Fiquei curioso pra saber o que era aquilo (que na verdade estava mais próximo de nossos ouvidos do que eu imaginava) e pesquisei na net, Google, Wikipedia, o que seja. De imediato comecei a querer um brinquedo chamado theremin e abri este blog para expor minha dedicação ao instrumento (que eu nunca tinha visto pessoalmente até então, mas já me consumia horas pela internet em pesquisas e apreciação).

Em português não achava lojas que vendessem theremins. Até que pensei no mercadolivre.com, onde achei link para http://www.theremin.com.br/ Depois de um ano de pesquisa dedicada e apreciação consciente, comprei um RDS Theremin. Dia 28 de agosto de 2009, sexta-feira, comprei à vista uma unidade por 750 reais. Obtive resultados melhores que o esperado no primeiro dia quando chegou, em setembro:


Aqui registro minha experiência gradual, nível de consciência tereminística, etc. Sigam-me nesse blog, que terá muito mais que narcisismo, é claro, muito conteúdo de primeira.

Pamelia Kurstin e seu baixo móvel



Isso é um theremin no registro grave fazendo walking bass, sem truques. Se quiser apenas audio, a música toda, pra ouvir e baixar, link aqui. Trecho da palestra dela no TED, falando sobre theremin e tocando 3 músicas. Se quiser ver a completa, clique aqui.

Pamelia Kurstin é considerada por muitos a maior thereminista viva, que toca diversos estilos. Seu passado como contrabaixista certamente contribuiu muito para que ela se tornasse uma thereminista única:


Nesse outro vídeo, extraído de "L'uomo amplificato" (a theatre work that L'aquila Signorina Terzadecade dedicated to the soviet scientist Lev Sergeyevich Termen), ela alterna tocando o contrabaixo acústico, vertical, que é seu primeiro instrumento, e toca também teremin-baixo, diante de ninguém menos que Robert Moog, pra quem não sabe, o primeiro produtor do instrumento transistorizado a preço popular (sinta um sabor nostálgico de guerra fria):


Nesse outro ela, por tocar com a mão esquerda, teve que virar o Etherwave Pro ao contrário, o que dificultou bastante. Ela começa com um baixo e usa um pedal de loop para tocar o Cânone em Ré do Pachelbel.


Em 1:30 Pamelia começa um solo orgásmico de teremin-baixo:


Outro ainda, onde em 3:33 ela começa mais um solo de baixo acompanhada por si mesma em loop:



Essa virtuosa é bem-humorada e espirituosa. Queria muito que ela viesse ao Brasil algum dia.

***

Parece impossível, mas você também pode tocar baixo móvel no theremin. Thomas Grillo, o thereminista do Mississippi, deixou um vídeo dando dicas sobre baixo-móvel no teremin. Resumindo, sugeriu para a mão do volume articular apenas o indicador sobre o polegar, pinçando rapidamente. E para os solos lentos no registro de baixo, seguem as mesmas dicas que para solos comuns mais agudos, porém com atenção total para a regulagem do instrumento:

30 de jan de 2009

Extensão e afinação de theremins

Vamos responder duas dúvidas frequentes:
  1. Qual a extensão de um theremin?
  2. Como se afina, e quais as afinações mais comuns?


EXTENSÃO TOTAL AUDÍVEL

http://1.bp.blogspot.com/_4aduPNm0tyk/SuyQ6X3F6iI/AAAAAAAAA8s/zm3xaJHRK58/s1600/extens%C3%A3o.jpg
clique para ampliar


Isso mesmo, um Moog Etherwave Standard ou similares como o RDS são capazes de realizar pelo menos 8 oitavas, indo aproximadamente do E0 (20Hz) até E8 (5300Hz), ajustando a sensibilidade pelo botão Pitch. Dá pra ultrapassar o piano mole mole, fácil fácil. Note-se que não há 2 instrumentos idênticos, e que o instrumento depende de equipamentos adequados e de condições ambientais para o pleno funcionamento. Eu baseei a estatística grave pela percepção de fundamental usando bons amplificadores para baixo, e não encontrei ninguém que identificasse uma fundamental muito abaixo de 20Hz.

Os extremos grave/agudo, tendo por referência a extensão do piano (e algumas notas além, nos dois sentidos), são de difícil acesso e musicalmente pouco usados. O extremo agudo qualquer amplificador realiza, mas normalmente soa muito percussivo / gritante na maioria dos theremins. Para ir mais que uma oitava abaixo do dó central (C4 - 261.63Hz), precisamos de um amplificador específico para contrabaixo - doutra forma fica difícil fazer solos em registro de baixo, pela qualidade sonora inferior ou simplesmente por não soar como uma fundamental, mas como um ruído - às vezes uma irritante motocicleta rítmica.

RESPALDO:
1) O tereminista espanhol Victor Estrada diz que musicalmente dificilmente vamos abaixo de 30Hz (B0) ou acima de 4KHz (C8):
http://web.mac.com/estudioserin/theremines/Funcionamiento.html
2) O tereminista do Mississippi, Thomas Grillo, diz que o Etherwave Standard normalmente é afinado em E (o meu também é, por isso escrevi acima):
http://www.youtube.com/watch?v=MJEbIMOfAMg

Por uma questão de conforto e até mesmo de musicalidade, é recomendado compor/tocar essencialmente dentro das três oitavas clássicas, que são usadas desde os primeiros theremins, contando a partir do dó grave da viola, uma oitava abaixo do dó central, até o "high C" ou "soprano C",  ou seja: toque de preferência entre C3-C6. Mas se os ouvidos pedirem uma ultrapassagem, fique à vontade.

Uma vez fiz um vídeo demonstrando umas 7 oitavas do theremin. Acho isso desnecessário, mas se quiser ver muitas oitavas, clique aqui, eu tocando a toa. Quem ouve Lydia Kavina eventualmente verá ela se exibindo com seu super TVox Tour por umas 8 oitavas...

E, pros menos informados: hoje em dia não se compra um theremin que tenha menos que 5 oitavas de "fácil" acesso. O padrão está subindo para 6+, e não duvido que em breve seja comum se vender/comprar apenas theremins que prometam 7 oitavas ou mais. O nome disso é "histeria da extensão", comum entre cantores e agora também comum entre tereministas. Muita gente quer ter muitas notas graves e agudas e esquece de pensar na qualidade do som em si.

Mas como eu ia dizendo, hoje em dia as propagandas normalmente dizem que os theremins dão acesso fácil à extensão de um teclado de 5 oitavas, do C2 ao C7 (65Hz - 2093Hz), como a imagem a seguir demonstra:



Na prática, tudo depende da afinação, ou seja, de como você configura a sensibilidade da antena vertical (a vareta). O botão Pitch determina basicamente três coisas: o tamanho do campo elétrico tocável, o espaçamento entre as frequências e os extremos grave-agudo.

Existe também a afinação interna, uma forma de calibragem que deve ser feita por um profissional de eletrônica que requer abrir o theremin e reconfigurá-lo (só em caso de defeito ou situações de mau funcionamento, campo elétrico impraticável, botão pitch não respondendo, etc.). Fora isso, a "afinação externa" (comum) se dá pelo botão pitch. Trataremos dela.



PARÂMETROS DE AFINAÇÃO

Afinar um theremin não envolve apenas escolher notas graves ou agudas como limite ou como referência para tocar. Ao afinar o instrumento, a distância entre as notas aumenta ou diminui, assim como a dimensão do campo elétrico utilizável, e pra piorar isso tudo não é uniforme (existem zonas de distorção onde os intervalos se esticam ou contraem mais, e nem todos os theremins possuem boa estabilidade).

Você pode pensar em afinar a sensibilidade da antena de frequência do seu theremin de acordo com vários parâmetros. Vou citar os mais comuns:
  • Espaçamento das notas, tamanho de uma oitava, etc. - pensando conforto pra dedilhar, ajustando de acordo com seu corpo, braço, antebraço, mão e dedos. Na prática, uma oitava normalmente é ajustada de acordo com a distância entre seus dedos fechados e abertos. Você pode também ajustar o semitom para a menor distância que você consegue articular com domínio entre seus dedos (5 milímetros para regiões centrais é uma boa).
  • Nota mais grave - a nota mais grave a ser utilizada deve estar no seu peito ou ombro. Em alguns casos, é a solução.
  • Nota mais aguda - a nota mais aguda a ser utilizada deve ficar bem próxima da antena (mas não o suficiente para você correr o risco de encostar nela). Algumas vezes é bom cortar pela afinação as notas demasiado agudas que não serão necessárias para uma música.
  • Extensão total a utilizar na peça - um meio termo entre a afinação pela nota mais grave e a afinação pela nota mais aguda (exemplo: se é três oitavas, expandir essas três oitavas por toda extensão de seu braço, deixando o extremo grave no seu peito e o extremo agudo mais próximo da antena o possível).
  • Nota[s] da antena, ou seja: selecionar a frequência aguda que ocorre em caso de contato físico, encostando na antena de um Moog ou outro modelo de theremin que o permita. Boa pra efeitos especiais e experimentalismos. Note que depende de como você toca a antena ela gera frequências diferentes. Se der chiado, é defeito do instrumento, tente colocar fitas plásticas na base da antena ou compre um theremin que não chie ao encostar nas antenas.
  • Você pode combinar esses fatores ou pensar em apenas um deles na hora de afinar.
  • Em alguns casos, o compositor especifica na partitura quais os parâmetros de afinação ou até mesmo de calibragem [interna] do theremin. Nesses casos, você não tem nem muito o que fazer além de seguir as instruções.

Se não for possível afinar conforme sua necessidade, o instrumento poderá precisar de uma calibragem ou de "maquiar" essa deficiência com interferências metálicas ou de objetos pequenos. Ambos os casos - levar para um profissional calibrar e usar objetos como interferência - são muito comuns pra qualquer um que toque theremin de verdade. O meu RDS Theremin nunca teve alteração de calibragem, mas em alguns casos utilizo um CD próximo à antena vertical para obter afinações diferentes. Theremins duram décadas sem precisar de manutenção, mas se após um ano de uso ou após uma viagem aérea seu theremin precisar de uma calibrada ("afinação interna"), procure um profissional e não se desespere, costuma ser fácil de resolver - embora seja uma operação delicada e requeira precisão milimétrica.

Pensar nisso tudo pode ser decisivo pra sua prática instrumental. Um dos maiores problemas de quem tenta aprender tocar theremin é não saber afinar o instrumento primeiro! Como se já não bastasse o instrumento ser invisível e impalpável (um legítimo campo elétrico), a pessoa tenta aprender sem nem afiná-lo primeiro! Por essas e outras, theremin só se aprende mesmo com profissionais.


AFINAÇÕES COMUNS DE THEREMINS MOOG

Vou descrever as afinações mais comuns para theremins padrão. Eu domino as três, para leituras à primeira vista ou improvisação. Os nomes das afinações se baseiam nos botões giratórios dos theremins Moog Etherwave, ou seja, o controle de Pitch deles, como se fosse um relógio marcando horas. Serve para o RDS Theremin e pra outros modelos também. Note que, dependendo da calibragem do seu theremin, não vai bater a descrição do "ponteiro", mas você vai achar o ponto a que me refiro pela descrição.


http://www.theremin.com.br/imagens/painel_gde.jpg

"9 horas"
Afinação "Garklein", apenas para imitação de flautim ou passagens extremamente agudas no repertório específico de theremin. Normalmente tocamos pequenos trechos nessa afinação, requerendo alguns segundos pra afinar o instrumento durante a peça, antes e depois do trecho agudo (whistles). É boa também para imitação de passarinhos e outros efeitos especiais.
Extensão tocável com qualidade e controle: C6-D8
Com técnica extendida ampliamos para E8-G8 (modificando o instrumento, encostando na antena, etc.). Se o instrumento for muito bom, permite até algumas notas mais graves, nas quais mulheres, crianças e outros corpos menos densos têm vantagem.


"1 hora" (ou "12 horas", dependendo do instrumento)
É a afinação central, mais utilizada para performances em geral, pegando bem a extensão do violino e da voz feminina. Para repertório específico de theremin pode ser um pouco complicada por requerer muitos movimentos de pé e de corpo inteiro, mas tem a vantagem de permitir acesso a algumas notas acima do C7 e um espaçamento maior entre as notas. É quase um padrão pra música popular.
Extensão confortável: F3-F7
Dando um passo atrás: indefinido, em torno de A2. Com muitos movimentos de corpo, até a primeira oitava é acessível com dificuldade.


"3 horas"
Essa afinação permite com conforto dó grave da viola, é a mais utilizada no repertório erudito para theremin, praticamente um padrão para quem toca no extremo grave ou repertório virtuoso. É normalmente a mais recomendada para theremins com problema de linearidade (na maioria das vezes irá requerer a interferência de um CD ou pedaço de metal próximo à antena, demorando mais pra pegar afinação).
Extensão acessível com muita facilidade: C2-D7
ou C1-D7, dependendo de sua massa e volume corporal. Dando um passo pequeno atrás: controle fácil da oitava do C1 ou até mais grave, perfeito pra solos de baixo com rapidez e precisão, sem grandes esforços.



VOCÊ SABIA...?
Que modificando a antena de um theremin você muda totalmente o campo elétrico (afinação)? Pois é, num mesmo instrumento com várias antenas diferentes podemos obter diversas tocabilidades. Até agora, utilizo apenas 2 antenas diferentes no RDS, quando quero obter tocabilidades específicas para determinados tipo de música ou registro. Mas isso você vai descobrir na prática experimentando e criando suas antenas - não vou deixar uma bula por aqui. Normalmente a antena de "notas" que vem com o instrumento, seja ele qual for, é só uma sugestão, as demais possibilidades ficam por sua conta, dependendo de seu estilo ou necessidade. Utilizo uma antena de rádio comum, telescópica (daquelas dobráveis, que a gente encolhe e estica), no RDS para obter alguns efeitos especiais, essencialmente no extremo agudo. Faça seus testes. Só não vale ficar parado olhando pro theremin.

Pra quem lê inglês, segue uma dica de leitura sobre antenas temperadas ou mais devidamente afinadas, de acordo com as faixas de frequência do theremin:
http://www.oldtemecula.com/theremin/

CUIDADO!
Ao se aproximar do theremin, o som deve ficar agudo, e ao se afastar, grave. Se o campo elétrico estiver muito comprimido, pode ser que tenha um "buraco" no espaço onde não sai som algum, e, mais distante, há um campo reverso, no qual, quanto mais você se afasta, mais agudo fica. Fuja dele. A única região do campo elétrico que devemos utilizar, a única em que é possível fazer música, é chamada zona positiva, na qual o agudo fica perto da antena e o grave fica distante. Caso você se distancie do theremin e encontre um lugar ou "buraco" que não emite nenhum som, é o que chamamos de zero beat / batida zero, e deve ficar logo ali nas suas costas. Às vezes mais distante ainda você encontrará um campo invertido, chamado zona negativa, em que o grave fica avante e o agudo mais distante do theremin. A zona negativa é totalmente inutilizável - a não ser que você tenha construído um theremin especialmente reverso, algo que eu nunca vi funcionar decentemente em todos esses anos de pesquisa. Thomas Grillo fez uma videoaula legal sobre isso [EN-US]: http://www.youtube.com/watch?v=79PYEhQ5Njk